18 julho 2017

cativos de acesso







Com o texto na ponta dos dedos, o computador inventa de reiniciar o Windows. E ainda afirma, em notificações na tela, que está trabalhando nas atualizações. Eu, com cara de interrogação, recorro ao caderno e escrevo. Um tanto enganada, admito. Pois sempre acreditei que eu tivesse algum controle sobre as máquinas. Mas não! São elas que me controlam. E enquanto tento escrever, o telefone vibra e cintila. WhatsApp, Messenger, e-mails, atualizações de aplicativos. Tudo. Desligo a conexão de Wi-Fi. Para que eu escreva preciso estar desconectada. E não é que o celular ainda brilha e envia recados mesmo desconectado da internet? Há dias venho recebendo a informação de que não há espaço de armazenamento na memória do aparelho. Desde a primeira mensagem, tratei de baixar um aplicativo para limpar a memória. E o tal aplicativo também envia lembretes afirmando que precisa ser limpo. É um ciclo maluco de limpar o que sequer está sujo e apagar memória que não existe. Eu me calo irônica e recorro ao aplicativo de música. Munida de fones de ouvido, sento em meu jardim, observo o vento que faz dançar as folhas da árvore e deixo escapar meu riso tímido. São muitos os aplicativos e imenso é o controle que as máquinas exercem. Contudo, há algo que Wi-Fi ou máquina alguma irá decifrar. Só eu sei as senhas de acesso ao meu universo. E este é o meu trunfo. Minha fórmula secreta de governar o mundo.





15 julho 2017

belas anaydes








Limpo as lentes dos óculos, mantenho o foco e me aguento. 
Para estar no mundo preciso, antes, estar comigo por inteiro.





Penso em Clarice Lispector. Ela sozinha com seus livros e seus personagens. Quantos obstáculos deve ter enfrentado Clarice para que ela conseguisse escrever? Não é a questão de gênero que tento abordar. É a questão do ser. Há tantas coisas pelo caminho, tantas distrações na vida, que escrever é sempre uma batalha. Penso também em Anayde Beiriz, que se perdeu no tempo por causa de um amor doido. Um amigo baiano foi o primeiro a me falar de Anayde. Lembro que ele mencionou umas cartas e até me comparou a ela. Tenho nada de Anayde. Ou talvez tenha. Sou mulher, professora, amo e tento me encaixar. Se bem que não posso afirmar que Anayde Beiriz tenha feito isso. Digo apenas o que li aqui e ali. Comprei um livro que traz a correspondência amorosa da autora, considerada poeta. Li quase todas as cartas. Parei em algum ponto que me incomodou. Eu sempre paro quando algo me incomoda. Voltando a Anayde Beiriz, me incomodou ler da autora somente seu amor por alguns homens. Me incomodou mesmo. E não pelo fator feminista. Algo mais forte me fez estancar a leitura. Em todas as cartas vi uma mulher que amava, mas que gritava, em seu lirismo romântico, para que alguém a entendesse. Ou talvez não gritasse. Me senti triste ao ler uma autora castrada por seu amor que culminou em crime político e perseguição. Procuro por Anayde no Google. Vasculho tudo. E só o que encontro, pedindo perdão por minha limitação em pesquisa, é a alcunha que lhe deram: a pantera de olhos dormentes. Não é possível que uma mulher seja somente isso. Aquela que ofende por seu comportamento, aquela que escreve o que sente, aquela que chora seus amores. Não aceito esta Anayde. Assim como não aceito que Clarice seja apenas a solitária que escrevia. E não aceito que me digam que Virginia Woolf era maluca e se matou por isso. Não aceito a ficção que se torna realidade. Eram todas mulheres. E escreveram. Fizeram algo mais que seus rótulos. Fizeram mais que seus livros e conflitos. Elas viveram. E sempre que uma mulher se assume escritora, mesmo que o mundo caia sobre sua cabeça, algo brilhante acontece. Todas as panteras de olhos dormentes se libertam.










12 julho 2017

o gato branco









Há um gato branco que passeia pelo muro de minha casa e das casas vizinhas. Ele está sempre caminhando. Ao menos, quando o vejo, o gato caminha. Eu tenho muita vontade de ter um gato. Porém, já tenho um cachorro. Então, já que é preciso escolher, pois não se pode dar conta de todas as coisas, fico com o cachorro. O gato é livre. E branco. E ao que percebo, ele não precisa de cuidados. Está sempre limpo, à vontade e me olha de forma tranquila. O gato eu temos uma bela conexão. Nos olhamos e nos entendemos. Já tentei tocá-lo. Ele já tentou pular para o meu jardim. Mas desistiu. Eu não insisto para que ele fique. Tentei, um dia, fotografá-lo. Tudo em vão. O gato saiu leve por entre as folhas e sumiu. Voltou no outro dia. Dessa vez, eu não quis fotografar. Tampouco tentei fisgá-lo. O gato branco, como uma imensa escultura envolta em mistério, é um viajante. Percebo que precisamos um do outro. E da forma como estamos. O gato no muro e eu no chão. 










09 julho 2017

curta in definitiva










De volta.
Saltando de alegria?
Não. Humana.






Afeto literário para mim é como uma espécie de correspondência a qual recorro quando preciso me comunicar. Poderia sim viver sem escrever. Eu poderia muitas coisas. Mas a literatura é como o amante possessivo que persegue, que sufoca e questiona. Não posso dar costas à literatura. Então, eu a enfrento. Escrevo livros, bilhetes, diários. Escrevo todo o tempo. E quando não escrevo, sofro. Sinto dores de abstinência. Sinto-me enclausurada. Ah, o paradoxo que me traduz... Literatura me aprisiona e, ao mesmo tempo, me liberta. Não saberei explicar esse fenômeno, que é tão natural quanto o despertar dos pombos ou quanto o voar do vento. E como não sei explicar, escrevo. Me correspondo. Me alimento. Até que se cumpra o tempo.